Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“A palavra política de António Costa vale muito poucochinho”
Hugo Soares considera que Orçamento para 2019 é uma espécie de última cartada para António Costa tentar ganhar as eleições que nunca ganhou.
“Iniciamos hoje a discussão do OE para o ano de 2019. Um Orçamento que tem uma história, mas que se apresenta com pouco futuro. Se voltarmos ao discurso de posse do Primeiro-Ministro, em 2015, a palavra que afirmava ia ser honrada, apresentava como principais linhas de orientação, cito: “o alívio da asfixia fiscal da classe média”; “a aposta no investimento público” e a “garantia dos bens e serviços públicos.” Sabemos hoje que, no que diz respeito ao alívio da asfixia fiscal, o governo propõe a maior carga fiscal de sempre. Sabemos hoje que a aposta no investimento público ainda não atinge sequer os níveis do ano de 2015. E sabemos hoje que, quanto à garantia de melhores serviços públicos, qualquer contacto com a realidade desmascara essa intenção. Ou seja, hoje sabemos quanto vale a palavra política do governo e de António Costa: vale pouco, vale muito poucochinho”. Foram estas as palavras escolhidas por Hugo Lopes Soares para iniciar a sua intervenção, esta segunda-feira, no debate do Orçamento do Estado para 2019.
De seguida, o parlamentar classificou o documento como “coerente e previsível.
É coerente porque mantém a política da governação à vista, da falta de ambição e das cedências à extrema esquerda que o transformam numa manta de retalhos. E é previsível porque não altera o rumo a que o governo nos habituou: privilegia a narrativa do ilusionismo em detrimento do compromisso com o real. Cria novos impostos, aumenta os existentes, aumenta despesa estrutural, e não preconiza uma única, uma única reforma capaz de transportar Portugal para níveis desejados de desenvolvimento. Mas sim; isso sim: é um instrumento carregado de palavras de ordem para usar em ano eleitoral”.
Sublinhando que cenário macroeconómico do documento revela que este é um Orçamento sem ambição e sem consolidação, o deputado adiantou que o governo desaproveita a oportunidade e faz “de cigarra fanfarrona. É célebre a frase que o telhado não se repara no inverno. É uma verdadeira oportunidade desperdiçada”.
Depois de recordar que todas estas escolhas orçamentais são apoiadas por PCP e BE, Hugo Soares lembrou que as bancadas da esquerda “hipotecam o futuro e trocam-no pelo eleitoralismo orçamental. Na verdade, trocam o futuro pelo vosso umbigo político. Este OE é uma espécie de última cartada para António Costa tentar ganhar as eleições que nunca ganhou. Em suma: Os senhores preferem o estado eleitoral ao estado social”.
A terminar, o social-democrata enfatizou que o “Orçamento não vira a página da austeridade, mascara-a, e não prepara o futuro, adia-o. Só há uma obsessão no Orçamento de Estado para 2019: tentar que António Costa ganhe pela primeira vez umas eleições legislativas nem que para isso tenha que voltar a colocar o País em risco. Não fosse a obsessão do Dr. António Costa consigo próprio e hoje podíamos ter menos carga fiscal, mais e melhor crescimento económico, mais e melhores serviços públicos, um território mais justo e equilibrado. Isto é eleitoralismo, sem visão de futuro. Isto é umbiguismo político”.

29-10-2018 Partilhar Recomendar
31-10-2018
Sara Madruga da Costa: Orçamento do Estado é péssimo para a Madeira
    A deputada considera que o documento foi feito para enganar os portugueses.
30-10-2018
“Ano eleitoral e governo socialista equivale ao vale tudo”
    Fernando Negrão declarou que o governo apresentou um “Orçamento fake, um Orçamento falso, um embuste, um logro, ou em bom português: uma aldrabice”.
30-10-2018
Cultura: média de um Ministro por ano é “a evidência do fracasso da política cultural do governo”
    José Carlos Barros referiu que a “inação” é a marca da governação das esquerdas.
30-10-2018
“O PS não perdoa os madeirenses por terem dado 49 vitórias eleitorais ao PSD e nenhuma ao PS”
    Paulo Neves assegurou que o cerco que António Costa está a fazer à Madeira o vai levar a uma nova derrota.
30-10-2018
“Ministro do Planeamento e das Infraestruturas está refém das cativações das Finanças”
    Luís Leite Ramos apelidou Pedro Marques de “Ministro dos cativos”.
30-10-2018
Emídio Guerreiro alerta que nos próximos meses vamos assistir a membros do governo a anunciar obras e mais obras
    O deputado falou na “escola socrática” e ironizou: “se cada um levasse uma pá e um balde de cimento já muitas dessas obras estariam feitas”.
30-10-2018
Teresa Leal Coelho acusa os partidos da esquerda de passarem “cheque em branco” ao governo
    É desta forma que a deputada vê a posição dos deputados que apoiam um orçamento que cativa 590 milhões de euros sem dizer onde.
30-10-2018
Ricardo Baptista Leite: “a Saúde não é prioridade para este governo”
    O deputado alertou que são os doentes que pagam a conta da má governação socialista.
30-10-2018
“O investimento a realizar em 2019 será muito inferior ao orçamentado”
    Virgílio Macedo revela que o Orçamento já prevê 590 milhões de euros em cativações.
30-10-2018
Combustíveis: Ministro das Finanças fez uma “monstruosa encenação”
    Cristóvão Norte desmontou o monumental embuste do governo.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas