Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Os resultados desta governação são maus e fazem temer pelo futuro
Miguel Santos considera que o “corte cego” de 35% imposto pelo Ministro coloca em risco os serviços e urgência.
“Os resultados da vossa governação são maus e fazem temer pelo futuro”. Foi com estas palavras que Miguel Santos iniciou a sua intervenção, esta quarta-feira, no debate sobre Políticas de Saúde agendado pelo PSD.
Segundo o Vice-Presidente da bancada do PSD o governo está confrontado com duas opções: ou persistir nos erros e continuar esta política de ocultação dos problemas, ou mudar de políticas. Ao persistir na política atual, adianta o deputado, “vamos voltar ao buraco dos milhares de milhões de euros de há 6 anos, défices anuais no SNS de 600 e de 800 milhões de euros que eram a marca dos Governos de José Sócrates e com cortes no fornecimento de medicamentos”.
Refere o parlamentar que atualmente “existem desequilíbrios em todas as vertentes, mas este governo toma unicamente decisões de contexto e que visam prolongar o tempo de vida dos próprios decisores. As greves dos profissionais passaram a ser, em termos de comunicação, positivas, o aumento das reclamações dos utentes é reduzido a um epifenómeno, o estrangulamento da atividade dos hospitais são meros episódios, das demissões não se fala à espera que o tempo passe. Na área dos medicamentos para o VIH Sida, o governo está há mais de um ano a atrasar a entrada em vigor de terapêuticas inovadoras mais eficazes, menos tóxicas e mais baratas”.
“Desde que o atual Governo entrou em funções o recurso à contratação de médicos tarefeiros aumentou, contrariando uma tendência consolidada de 2012 a 2015. Em face desta derrapagem, o Ministro da Saúde decretou que tem de haver um corte de 35%. Esse diploma ameaça inclusivamente os gestores hospitalares de responsabilidade civil, financeira e disciplinar, para isentar o Ministro da Saúde da sua responsabilidade”. O resultado deste corte cego, refere Miguel Santos, é o cancelamento de cirurgias, a instabilidade, a demissão de dirigentes, os hospitais mais carenciados a entrarem em linha de risco e as urgências a ficarem em perigo. Tudo isto, acrescenta o social-democrata, consequência de uma medida adotada antes do Verão, contrariando as afirmações que o Ministro tinha dito precisamente no ano passado.
Perante este cenário, Miguel Santos é perentório em afirmar que o Governo toma estas medidas porque “o Ministro está aflito”, pois a somar à deterioração da situação financeira do SNS juntam-se as falhas nos serviços, a falta de pessoal, a falta de material, a falta de medicamentos, como ainda recentemente o Grupo Parlamentar teve oportunidade de visita que fez ao Centro Hospitalar do Algarve.
No que respeita ao plano de redução dos horários de funcionamento de um significativo número de ambulâncias de emergência médica, que o Ministro agora diz que não existe, Miguel Santos afirmou que basta ir aos locais e perceber que as ambulâncias não estão a sair.

14-06-2017 Partilhar Recomendar
23-05-2018
“Incompatibilidade do Ministro Pedro Siza Vieira não tem consequências?” Fernando Negrão exige esclarecimentos “a bem da ética”
    No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, Fernando Negrão questionou ainda António Costa sobre valorização do interior e os problemas no sector da Saúde.
18-05-2018
Coimbra: PSD defende a realização de obras no Centro de Saúde da Fernão de Magalhães
    Os sociais-democratas consideram a situação preocupante e pedem a intervenção do Ministro da Saúde.
18-05-2018
PSD defende a presença obrigatória de nutricionistas/dietistas nas instituições que prestam cuidados a idosos
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Susana Lamas.
11-05-2018
“O Governo transformou o Serviço Nacional de Saúde no Serviço Nacional da Doença”
    Ricardo Baptista Leite alerta que os “portugueses estão cada vez mais doentes” e que este "descalabro" é culpa do atual governo.
02-05-2018
PSD defende a consagração do dia 15 de junho como o Dia Nacional da Doença de Huntington
    Ângela Guerra apresentou a iniciativa dos sociais-democratas.
02-05-2018
Nisa: resíduos hospitalares a céu aberto preocupam deputados do PSD
    Os sociais-democratas questionaram os Ministros da Saúde e do Ambientes sobre os riscos inerentes a esta descoberta anómala e estranha.
30-04-2018
Deputados do PSD exigem intervenção imediata no Centro de Saúde da Fernão Magalhães
    Fátima Ramos, Margarida Mano e Maurício Marques verificaram “a elevada degradação das instalações e a falta de recursos humanos”.
24-04-2018
“A saúde não é uma prioridade para este governo”
    Ricardo Baptista Leite repetiu o apelo do Presidente da República para que se “inverta o caminho de desinvestimento na saúde que tem vindo a ser executado pelo governo”.
19-04-2018
Doenças raras: Ricardo Baptista Leite lamenta a inação do governo
    O social-democrata recordou que a única iniciativa política que este país já viu no âmbito das doenças raras foi feita pelo governo liderado pelo PSD.
18-04-2018
Saúde: problemas no sector comprovam que a austeridade não acabou
    Fernando Negrão sublinhou que “os serviços que o Estado oferece estão cada vez mais degradados”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas